ANITA M. R. DE MORAES

ANITA M. R. DE MORAES nasceu em São Carlos, São Paulo. É professora pesquisadora.
É Doutora em Teoria e História Literária pela Universidade de Campinas (Unicamp), com pós-doutorado pela Universidade de São Paulo (USP).
Desde 2012, atua como professora de Teoria da Literatura na Universidade Federal Fluminense (UFF).

OBRAS DA KAPULANA

MORAES, Anita M. R. de.MARTIN, VIMA L. R. O Brasil na poesia africana de língua portuguesa – antologia. São Paulo: Kapulana, 2019. [Vozes da África]

MORAES, Anita M. R. de.MARTIN, VIMA L. R.”O Brasil e a poesia moçambicana: perspectivas de leitura“. Posfácio in: .O Brasil na poesia moçambicana – antologia. São Paulo: Kapulana, 2019. [Vozes da África]

OUTRAS PUBLICAÇÕES

  • Para além das palavras: representação e realidade em Antonio Candido. 1. ed. São Paulo: Editora da Unesp, 2015. v. 1.
  • O inconsciente teórico: investigando estratégias interpretativas de Terra Sonâmbula, de Mia Couto. 1. ed. São Paulo: Annablume; Fapesp, 2009.
  • Revista Via Atlântican. 16. São Paulo: Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas FFLCH-USP, 2009. (Org. com MACÊDO, T. CHAVES; R.)

TANIA MACÊDO

TANIA MACÊDO fez Graduação, Mestrado e Doutorado na USP. É professora aposentada da Unesp (Universidade Estadual Paulista), campus de Assis.

Atualmente é Professora Titular de Literaturas Africanas na Universidade de São Paulo (USP), onde leciona cursos de Graduação e Pós-Graduação. 

Sua trajetória acadêmica e como pesquisadora foi voltada, majoritariamente, para os estudos da voltados para as Literaturas Africanas de Língua Portuguesa, especialmente de Angola.

 OBRAS DA KAPULANA

“A crítica de Pepetela”. Prefácio. In: O cão e os caluandas, de Pepetela, 2019.

 

OUTRAS PUBLICAÇÕES

  • Angola e Brasil: estudos comparados. São Paulo: Arte e Ciência, Via Atlântica, 2002.
  • Luanda, cidade e literatura. São Paulo: Fundação Editora Unesp, 2008.
  • Mia Couto, um convite à diferença (em coautoria). São Paulo: Humanitas, 2013.
  • Les littératures du Maghreb et d’Afrique subsaharienne (em coautoria). Frankfurt: Peter Lang, 2016.

GABI SIGAUD WINTER, palhaça JURUBEBA

GABI SIGAUD WINTER é a palhaça brasileira JURUBEBA, criadora e diretora da “Clownbaret”, companhia de palhaços que atua desde 2009 Brasil afora. É colaboradora das organizações “Clowns Without Borders EUA” e do “Palhaços sem Fronteiras Brasil”, trabalhando em locais de vulnerabilidade social ou após alguma catástrofe natural como terremotos ou furacões.

El Salvador, Equador, San Martin, Turquia, México e Quênia (Kakuma, um dos maiores campos de refugiados do mundo), foram alguns dos locais onde já esteve pelo mundo, além de projetos dentro do Brasil e principalmente na cidade de São Paulo. Gabi é diretora de teatro e treinadora de palhaços dentro do seu projeto “Aclowndemia de Treinamento Palhacístico”.

OBRA DA KAPULANA

  • Gabi, a palhaça Jurubeba, é homenageada pelo escritor Walter de Sousa,  em seu livro Nina tem medo de palhaço, da Editora Kapulana.

PRÊMIO

  • Melhor atriz no festival Sofie Awards de NY com o curta “Entre Lágrimas e Risos”. Direção: Marcos Alberti, Leo Saito e Rubens Marinelli. Roteiro: Matheus Hruschka e Rubens Marinelli.

ELLEN OLÉRIA

ELLEN OLÉRIA, brasileira, é compositora, cantora, atriz, apresentadora e ativista política voltada para questões da negritude. Nasceu e cresceu em Brasília, onde se  formou em Artes Cênicas na Universidade de Brasília. Há quase duas décadas dedica-se à música, tendo lançado cinco discos e realizado turnês nacionais e internacionais, recebendo muitos prêmios em festivais. A soprano dramática é bastante conhecida pelo público por apresentar um repertório bem brasileiro com entusiasmo e alegria. Como atriz, atualmente está em temporada de seu primeiro musical por vários estados brasileiros. Apresenta programa próprio “Estação Plural”, semanalmente, na TV Brasil.

OBRA DA KAPULANA

texto da orelha de: WAINAINA, Binyavanga. Um dia vou escrever sobre este lugar, 2018.

ÁLBUNS

  • 2009: Peça (Independente)
  • 2013: Ellen Oléria (Universal Music)
  • 2016: Afrofuturista (independente)

DESTAQUES

Indicada como melhor cantora (canção popular) pelo “Prêmio da Música Brasileira” por seu mais recente disco e com este trabalho a artista tem se apresentado pelo Brasil.

LUCIANA BENTO

LUCIANA BENTO é socióloga, blogueira, escritora e pesquisadora de literatura infantil. Formada em Ciências Sociais pela UFRJ, tem especialização em Gênero e Sexualidade (UERJ).  Tem cursos na área de preparação e revisão de textos e produção editorial pela Unifesp. Cursa especialização em História da África e do Negro no Brasil pela UCAM e MBA em Book Publishing pela LabPub. 

É criadora do blog A mãe preta, no qual fala sobre maternidade, negritude e literatura, e do canal no Youtube Quilombo Literário, no qual fala sobre literaturas com protagonismo negro.

Editou os livros As férias fantásticas de Lili, da poeta Lívia Natália, e No Reino da Carapinha, de Fausto Antonio, pela Ciclo Contínuo Editorial.  Atuou como coordenadora editorial na Mostra de Literatura Negra Paula Brito (2018). Ministra cursos e oficinas sobre formação de público leitor, mediação de leitura, diversidade e representatividade na literatura infantil, além de formações para professores.  Atualmente, é colunista do Portal Lunetas, onde escreve sobre infâncias, maternidade e educação antirracista.

OBRAS DA KAPULANA

OBRAS DA COLABORADORA

  • As férias fantásticas de Lili. São Paulo: Ciclo Contínuo Editorial, 2018.
  • No Reino da Carapinha. São Paulo: Ciclo Contínuo Editorial, 2018.

CAROLINA KUHN FACCHIN

 

CAROLINA KUHN FACCHIN é bacharel em Letras pela UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul), onde desenvolveu pesquisa com tradução cultural dentro da literatura.

Atualmente, é Assistente editorial e faz traduções do Inglês para o Português de livros de literatura africana em língua inglesa, de países como Nigéria, Quênia, Zimbábue.

 

 

OBRAS DA KAPULANA (traduções)

ROBERTA ESTRELA D’ALVA

ROBERTA ESTRELA D’ALVA

é atriz, Mc, diretora, diretora musical, ativista, apresentadora e slammer. Formada em Artes Cênicas pela USP (Universidade de São Paulo), Roberta também fez mestrado em Semiótica pela PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo), onde atualmente cursa o doutorado.

Roberta é membro fundadora da primeira companhia de “teatro hip-hop” do Brasil, o Núcleo Bartolomeu de Depoimentos, assim como da Frente 3 de Fevereiro, que desenvolve ações simbólicas, produção de livros, documentários e investigações colaborativas sobre o racismo na sociedade brasileira.

No poetry slam – competição, geralmente realizada na rua, em que poetas leem ou recitam trabalhos originais, e, logo após, são julgados pela plateia ou por um júri pré-estabelecido –, Roberta foi finalista da Copa do Mundo de Poesia Slam 2011, em Paris.  É curadora do Rio Poetry Slam, que acontece anualmente na FLUP (Festa Literária das Periferias), no Rio de Janeiro, e coordenadora do SLAM-SP e do SLAM-BR (campeonatos estadual e nacional de poetry slam).

Na direção musical, Roberta realizou o espetáculo Cindi Hip Hop – pequena ópera rap, vencedor do prêmio Cooperativa de Teatro, na categoria de melhor dramaturgia. Roberta também venceu o Prêmio Shell (uma das maiores premiações do teatro nacional) de melhor atriz em 2012 pela atuação no espetáculo Orfeu Mestiço, Uma Hip–Hópera Brasileira.

Dirigiu o documentário SLAM: Voz de Levante, juntamente com a documentarista Tatiana Lohmmann. O filme foi realizado nos últimos 7 anos e registra a chegada dos poetry slams ao Brasil e as experiências de pioneiros nos EUA e na França – respectivamente local de origem e um dos maiores redutos internacionais do slam. O filme será lançado comercialmente no primeiro semestre de 2018, e teve seu lançamento mundial no 19° Festival do Rio, em 2017, onde recebeu o prêmio especial do júri e o prêmio de melhor direção de documentário. Também participou da 41a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo.

Na literatura, Roberta lançou, em 2014, o seu primeiro livro, Teatro Hip-Hop, a performance poética do ator-MC, pela editora Perspectiva. É a atual apresentadora do Manos e Minas (TV Cultura), programa de televisão semanal que, desde 1993, é referência nacional sobre cultura Hip-Hop.

OBRAS DA KAPULANA

OBRAS DA COLABORADORA

  • Teatro Hip-Hop, a performance poética do ator-MC. Brasil: Perspectiva, 2014;

DESTAQUES/ PRÊMIOS

  • Terceiro lugar na Copa do Mundo de Poesia Slam, em Paris, 2011.
  • Prêmio Shell de Melhor Atriz, pelo espetáculo Orfeu Mestiço, Uma Hip–Hópera Brasileira, 2012.

ROSANA MORAIS WEG

ROSANA MORAIS WEG, brasileira, é Mestre e Doutora em Letras Clássicas pela Universidade de São Paulo, com ênfase em Literatura Brasileira e Língua Portuguesa. Sua pesquisa principal é sobre a obra do escritor brasileiro Aníbal Machado. Dedica-se à pesquisa de obras de escritores africanos para divulgá-los no Brasil.
De 1982 a 1987, em Moçambique, foi professora na EFEP – Escola de Formação de Professores (hoje IPM – Instituto Pedagógico de Maputo) e delegada na Cruz Vermelha Internacional.
De 1987 a 2016 dedicou-se à docência, e de 2003 a 2016, foi professora da Fundação de Rotarianos de São Paulo – Faculdades Integradas Rio Branco em cursos de Comunicação Social e Pedagogia.
Desde 2013, é sócia e diretora editorial da Editora Kapulana Ltda., que tem em seu catálogo obras ficcionais e não ficcionais, em prosa e poesia, para crianças e adultos, de autores brasileiros, portugueses e de países africanos.
É autora de artigos e livros sobre Língua Portuguesa, Literaturas e Metodologia Científica.

CV na Plataforma Lattes: http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/busca.do

OBRAS PUBLICADAS

  • Literatura colonial: A presença moçambicana. Revista do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo, n. 89, maio 2017. Impressa e on-line: http://www.iea.usp.br/revista/edicoes
  • Português na prática: a língua como instrumento, v. 1, Contexto, 2011.
  • Português na prática: a língua como expressão e criação, v. 2, Contexto, 2011.
  • O texto científico: como fazer projetos, artigos, relatórios, memoriais, trabalhos de conclusão de curso, dissertações e teses e participar de eventos científicos, Cia. dos livros, 2010.
  • O texto acadêmico: projeto de pesquisa e monografia, Esfera, 2009.
  • Acordo ortográfico da língua portuguesa no Brasil: alterações na ortografia de expressão brasileira, Esfera, 2008.
  • Fichamento. São Paulo: Paulistana, 2006. [Col. Aprenda a fazer]

TRABALHOS ACADÊMICOS

  • Caos e catástrofe na obra de Aníbal Machado. Tese de Doutorado. São Paulo: FFLCHUSP, 1997.
  • Aníbal Machado em seu tempo. Dissertação de Mestrado. São Paulo: FFLCHUSP, 2002.

PALESTRAS

  • A nossa mãe África.
  • Língua Portuguesa em movimento: convivência sociocultural entre Moçambique e Brasil.
  • Literatura Africana para crianças: um passeio multicultural.

ALGUMAS PARTICIPAÇÕES NA MÍDIA

Jornal “País” – Maputo – Moçambique – 30/06/2015 (entrevista)

Jornal JC Debate – TV Cultura – São Paulo – SP – Brasil – 10/06/2015 (participação em debate)

Programa Artes e Letras – STV – Maputo – Moçambique  29/10/2015 (entrevista)

Maputo – Moçambique 2015 – Diretora da Kapulana em programa na STV (Moçambique) apresentado por José dos Remédios

Jornal “Notícias online” – Maputo – Moçambique – 12/01/2016 – Editora Kapulana divulga literatura moçambicana.

DAISY SERENA

DAISY SERENA nasceu em São Paulo, em 1988.

É ativista visual, poeta, graduanda de sociologia e política pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP) e integrante do coletivo Dolores Boca Aberta Mecatrônica de Artes.

Sua primeira Exposição foi em 2016, chamada Tecituras de Tempo & Identidade, dentro da Mostra Criadoras em Moda: Mulheres Afro-latinas, no Sesc Interlagos.

Seu primeiro livro, Tautologias, foi publicado em novembro de 2016.

PARTICIPAÇÕES EM EVENTOS DA KAPULANA

Fez uma leitura de alguns poemas do livro Sangue negro (2016), de Noémia de Sousa, na Feira Desvairada. Além disso, participou dos lançamentos dos livros Roda das encarnações (2017), de Sónia Sultuane, e Nós matamos o Cão Tinhoso! (2017), de Luís Bernardo Honwana, lendo trechos dos livros.

VIMA LIA DE ROSSI MARTIN

VIMA LIA DE ROSSI MARTIN é doutora em Letras pela Universidade de São Paulo e professora de Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa na mesma instituição. Atua na graduação e na pós-graduação e é membro do Núcleo de Apoio à Pesquisa Brasil África (USP).

Publicou artigos em revistas nacionais e internacionais e também em livros. Desenvolve projetos de pesquisa nas áreas de literatura e marginalidade e ensino de literaturas de língua portuguesa.

É autora de obras didáticas de Língua Portuguesa para o Ensino Médio. Escreveu o posfácio do livro Nós matamos o Cão Tinhoso!, do moçambicano Luís Bernardo Honwana, da edição de 2017 da editora Kapulana.

OBRAS DA KAPULANA

MARTIN, VIMA L. R.. “A violência do colonialismo pelo olhar de Luís Bernardo Honwana”. Posfácio in: HONWANA, Luís Bernardo. Nós matamos o Cão Tinhoso!. São Paulo: Kapulana, 2017. [Vozes da África]

MARTIN, VIMA L. R.; MORAES, Anita M. R. de. O Brasil na poesia africana de língua portuguesa – antologia. São Paulo: Kapulana, 2019. [Vozes da África]

MARTIN, VIMA L. R.; MORAES, Anita M. R. de. “O Brasil e a poesia africana de língua portuguesa: perspectivas de leitura”. Posfácio in: .O Brasil na poesia moçambicana – antologia. São Paulo: Kapulana, 2019. [Vozes da África]

 

OUTRAS PUBLICAÇÕES

  • Revista Via Atlântica n. 34: Literatura e jornalismo. 34. ed. São Paulo: FFLCH/USP, 2018. v. 1. (Org. com CHAUVIN, J. (Org.) ; SALLA, T. M.)
  • Comparativismo contemporâneo. 1. ed. São Paulo: Portal de Livros Abertos da USP, 2017. v. 1. (Org. com VECCHIA, R. ; VASCONCELOS, M.)
  • Veredas da Palavra. 1. ed. São Paulo: Ática, 2016. v. 3. (Org. com ALVES, R. H.).
  • Revista Via Atlântica n. 28: Literatura e educação. 1. ed. São Paulo: , 2015. v. 1. (Org. com REZENDE, N. L.)
  • Língua Portuguesa. 1. ed. Curitiba: Positivo, 2013. v. 3. (Com ALVES, R. H.)
  • Língua Portuguesa – Projeto ECO. Curitiba: Positivo, 2010. v. 3. (Com ALVES, R. H.)
  • Literatura e marginalidade. 1. ed. São Paulo: Alameda, 2008. v. 1.
  • A língua portuguesa no mundo. São Paulo: Humanitas, 2008. v. 1. (Org. com Lima-Hernandes, M. C.; MARÇALO, M. J.; MICHELETTI, Guaraciaba)
  • Revista Via Atlântica n. 12. , 2007. v. 1. (Org. com CHAVES, R.)
  • Diálogos Críticos. Literatura e sociedade nos países de Língua Portuguesa. 1. ed. São Paulo: Arte e Ciência, 2005. v. 1.
  • Revista Via Atlântica n. 6. 1. ed. São Paulo: , 2004. v. 1. (Org. com GARMES, H.; MOTTA, P.; BUENO, A. F.)
  • Revista Via Atlântica n. 7. 1. ed. São Paulo: , 2004. v. 1. (Org. com GARMES, H.; MOTTA, P.; BUENO, A. F.)

CÍNTIA MACHADO DE CAMPOS ALMEIDA

CÍNTIA MACHADO DE CAMPOS ALMEIDA é carioca, professora de Literatura e Língua Portuguesa da Educação Básica e pesquisadora de Literaturas Africanas de Língua Portuguesa, em especial, de Literatura Moçambicana. Graduada pela Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), é especialista em Literatura Infantil e Juvenil Brasileira, Mestre e Doutora em Letras Vernáculas, na especialidade de Literaturas Africanas de Língua Portuguesa, pela mesma Universidade. Autora da primeira Tese de Doutoramento totalmente dedicada à obra poética de Luis Carlos Patraquim, intitulada “Viagens de fora pra dentro: profanações e vagamundagens de Luís Carlos Patraquim” (FL/UFRJ, 2014), sob a orientação da professora Dra. Carmen Lucia Tindó Ribeiro Secco.

OBRAS DA KAPULANA

Das margens: poesia, ainda“. Prefácio. In: PATRAQUIM, Luís Carlos.  O cão na margem. São Paulo: Kapulana, 2017. [Vozes da África]

ELENA BRUGIONI

ELENA BRUGIONI é professora de Literaturas Africanas no Departamento de Teoria Literária da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Possui graduação em Letras Modernas pela Universidade de Bologna (2004) e Doutorado em Literaturas Africanas de Língua Portuguesa (2009) pela Universidade do Minho.

Entre 2010 e 2015, foi pesquisadora em Pós-doutorado no Centro de Estudos Humanísticos da Universidade do Minho – CEHUM e bolsista da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT – Portugal). As suas áreas de pesquisa e ensino passam pelas Literaturas Africanas de Língua Portuguesa e Comparadas, Estudos do Oceano Índico (Indian Ocean Studies) e Teoria Pós-colonial.

OBRAS DA KAPULANA

“Histórias de bela tristeza”. Prefácio. In: MANJATE, Lucílio. A triste história de Barcolino, o homem que não sabia morrer. São Paulo: Kapulana, 2017. [Vozes da África]

OUTRAS PUBLICAÇÕES

  • Áfricas Contemporâneas | Contemporary Africas. Lisboa: Húmus, 2010. (coorganizadora)
  • Itinerâncias | Journeys. Percursos e Representações da Pós-colonialidade. Lisboa: Húmus, 2012. (coorganizadora)
  • Mia Couto – Representação, História(s) e Pós-colonialidade. Lisboa: Húmus, 2012.
  • Prémios Literários – o poder das narrativas, as narrativas do poder. Porto: Afrontamento, 2016. (coorganizadora)

VANESSA R. TEIXEIRA

VANESSA RIBEIRO TEIXEIRA nasceu no Rio de Janeiro, em 27 de setembro de 1980. É Bacharel em Letras Vernáculas (2001), Mestre em Literaturas de Língua Portuguesa (2004) e Doutora em Literaturas Portuguesa e Africanas de Língua Portuguesa pela UFRJ. É Professora Adjunto Doutor I do Programa de Pós-Graduação em Humanidades, Culturas e Artes (PPGHCA) na Universidade do Grande Rio (UNIGRANRIO).

OBRAS / ARTIGOS DA KAPULANA

Orgia dos loucos: Moçambique sem saída de emergência“. Prefácio. In: KHOSA, Ungulani Ba. Orgia dos loucos, São Paulo: Kapulana, 2016. [Vozes da África]

 

OUTRAS PUBLICAÇÕES – Capítulos de livros:

  • “O drama de não ser-se: diálogos possíveis entre a velha negra, o deus-morto e António Agostinho Neto”. In: SANTOS, Gilda (org.). Jorge de Sena: Ressonâncias e Cinquenta Poemas, 2006.
  • “Os nós na garganta de uma voz plural”. In: SALGADO, Maria Teresa, SECCO, Carmen Lucia Tindó Ribeiro & SEPÚLVEDA, Maria do Carmo (orgs.). África & Brasil – letras em laços 2, 2010.
  • “As mulheres que criam reis – uma leitura de ‘Maundlane, o criador’, de Paulina Chiziane”. In: MIRANDA, Maria Geralda de (org.). Paulina Chiziane: vozes e rostos femininos de Moçambique, 2013.

PRÊMIOS, CONCURSOS OU OUTRAS PARTICIPAÇÕES

  • Bolsa de Pós-Doutorado beneficiada pelo Programa de Apoio ao Pós-Doutorado da Faperj (PAPD Faperj 2012)

SARAU DAS PRETAS

SARAU DAS PRETAS

Diante do cenário de empoderamento feminino pela garantia dos direitos das mulheres, jovens escritoras negras atuantes nas periferias da cidade de São Paulo têm revelado, através da literatura, de seus tambores e de seus corpos, as realidades de viver o feminino e o feminismo. Acreditando que a presença negra é também um ato político na negritude, este sarau é conduzido por quatro escritoras/poetizas negras paulistanas. Assim, O SARAU DAS PRETAS reúne grande público disposto a partilhar as vivências e reflexões que essas mulheres expressam através da sua arte. Cada encontro é tematizado por algum assunto contemporâneo ou premente que envolva protagonismo da mulher negra e suas questões.

O SARAU DAS PRETAS é realizado em centros culturais, SESC’s ou espaços congêneres como forma de ampliar e fortalecer os espaços de protagonismo feminino negro.

É composto por Jô Freitas, Débora Garcia, Elizandra Souza, Thata Alves e Taissol Roberta Silva.

PARTICIPAÇÕES EM EVENTOS DA KAPULANA

Participaram do lançamento do livro Sangue negro, de Noémia de Sousa, no dia 26 de novembro, na Balada Literária de São Paulo, na Biblioteca Alceu Amoroso Lima.

FÁTIMA MENDONÇA

FÁTIMA MENDONÇA é professora aposentada da Faculdade de Letras e Ciências Sociais da Universidade Eduardo Mondlane, Maputo. Desde 2007 é investigadora integrada do CLEPUL (Centro de Culturas e Literaturas Lusófonas e Europeias da Universidade de Lisboa).

É autora de vários livros e ensaios sobre Literatura Africana e Literatura Moçambicana. Organizou obras de poesia moçambicana e é autora de textos que fazem parte de obras literárias importantes.

OBRAS / ARTIGOS DA KAPULANA

2016 – “Moçambique, lugar para a poesia”. Posfácio das edições moçambicanas de Sangue negro, de Noémia de Sousa: 2001 (AEMO – Associação dos Escritores Moçambicanos), e 2011 (Ed. Marimbique), revisto pela autora Fátima Mendonça, em agosto de 2016, para a Editora Kapulana.

OUTRAS PUBLICAÇÕES

  • Antologia da nova poesia moçambicana: 1975 – 1988 [em coautoria com Nelson Saúte]. Maputo: Associação dos Escritores Moçambicanos (AEMO), 1989.
  • Literatura moçambicana – a história e as escritas. Maputo: Faculdade de Letras e Núcleo Editorial da Universidade Eduardo Mondlane, 1989.
  • Rui de Noronha: meus versos [edição crítica da poesia de Rui de Noronha]. Lisboa: Texto editores, 2006.
  • Hibridismo ou estratégias narrativas? Modelos de herói na ficção narrativa de Ngugi wa T´hiongo, Alx la Guma e João Paulo Borges Coelho. São Paulo: Via Atlântica – USP, 2009.
  • “Moçambique, lugar para a poesia”. Posfácio das edições moçambicanas de Sangue negro, de Noémia de Sousa: 2001 (Maputo: AEMO – Associação dos Escritores Moçambicanos); 2011 (Maputo: Ed. Marimbique).
  • Literatura moçambicana – as dobras da escrita. Maputo: Ndjira, 2011.
  • “João Albasini e as luzes de Nwanzengele”. Em coautoria com César Braga-Pinto. Maputo: Alcance, 2015.

PRÊMIO:

  • 2016 – Vencedora do Prémio José Craveirinha de Literatura de 2016.

NELSON SAÚTE

NELSON SAÚTE é jornalista, escritor e professor de Ciências da Comunicação em Maputo, Moçambique. Nasceu em 6 de fevereiro de 1967, em Maputo, é autor, editor e organizador de obras de Literatura Moçambicana.

OBRAS/ARTIGOS DA KAPULANA

A mãe dos poetas moçambicanos“. Introdução da 1a. edição moçambicana de Sangue negro, de Noémia de Sousa: 2001 (AEMO – Associação dos Escritores Moçambicanos), revista pelo autor Nelson Saúte, em junho de 2016, para a Editora Kapulana.

“O legado do amanhã”. Prefácio da 2a. edição moçambicana de Sangue negro, de Noémia de Sousa: 2011 (Ed. Marimbique), revisto pelo autor Nelson Saúte, em junho de 2016, para a Editora Kapulana.

OUTRAS PUBLICAÇÕES

  • Antologia da nova poesia moçambicana: 1975 – 1988 [em coautoria com Fátima Mendonça]. Maputo: Associação dos Escritores Moçambicanos (AEMO), 1989.
  • A Ilha e Moçambique pela voz dos poetas. Com António Sopa. Lisboa: Edições 70, 1992.
  • O apóstolo da desgraça, estórias. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1996.
  • Os narradores da sobrevivência. Romance. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 2000.
  • “A mãe dos poetas moçambicanos”. Introdução da 1a. edição moçambicana de Sangue negro, de Noémia de Sousa: AEMO – Associação dos Escritores Moçambicanos, 2001.
  • As Mãos dos Pretos. Antologia de contos moçambicanos. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 2001.
  • O homem que não podia olhar para trás. Em coautoria com Roberto Chichorro, 2006.
  • Rio dos bons sinais. Contos. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 2007.
  • “O legado do amanhã”. Prefácio da 2a. edição moçambicana de Sangue negro, de Noémia de Sousa: Ed. Marimbique, 2011.

CARMEN LUCIA TINDÓ SECCO

 

CARMEN L. TINDÓ SECCO é professora Titular de Literaturas Africanas de Língua Portuguesa da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), ensaísta e pesquisadora do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) e da FAPERJ (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro). Tem Mestrado em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1976), Doutorado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1992) e pós-Doutorado pela Universidade Federal Fluminense, com estágio na Universidade Politécnica de Moçambique (2009-2010).

 

 

OBRAS DA KAPULANA

OUTRAS PUBLICAÇÕES

  • SECCO, C. L. T. R. “As Mulheres do Imperador: entrelaces de Histórias e Estórias”. Posfácio: In: Khosa, Ungulani Ba Ka. Gungunhana: Ualalapi e As mulheres do Imperador. São Paulo: Kapulana, 2018.
  • SECCO, C. L. T. R. Afeto e Poesia. Ensaios e entrevistas: Angola e Moçambique. 1. ed. Rio de Janeiro: Oficina Raquel, 2014.
  • SECCO, C. L. T. R.; MIRANDA, Maria Geralda (Org.). Paulina Chiziane: Vozes e rostos femininos de Moçambique. 1. ed. Curitiba: Appris, 2013.
  • SECCO, C. L. T. R. (Org.). Luís Carlos Patraquim: Antologia poética. 1. ed. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2011.
  • SECCO, C. L. T. R.; CAMPOS, M. C. S. (Org.) ; SALGADO, T. (Org.). África e Brasil: Letras em laços – v. 2, 1. ed. São Caetano do Sul: Editorial Yendis, 2010.
  • SECCO, C. L. T. R.; SALGADO, M. T. (Org.); JORGE, S. R. (Org.). África, escritas literárias. 1. ed. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ; Luanda: UEA (União dos Escritores Angolanos), 2010.
  • SECCO, C. L. T. R.; SALGADO, T. (Org.); JORGE, S. R. (Org.). Pensando África: literatura, arte, cultura e ensino. 1. ed. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, 2010.
  • SECCO, C. L. T. R. A magia das letras africanas. 2.ed. revista. Rio de Janeiro: Editora Quartet, 2008; Lisboa: Novo Imbondeiro, 2004; Rio de Janeiro: Barroso Produções Editoriais, 1. ed. 2003.
  • SECCO, C. L. T. R. Entre fábulas e alegorias. Ensaios sobre literatura infantil de Angola e Moçambique. 1. ed. Rio de Janeiro: Editora Quartet, 2007.
  • SECCO, C. L. T. R. (Org.) ; MACEDO, T. C. (Org.); CHAVES, R. (Org.). Brasil e África: como se o mar fosse mentira. 2. ed. São Paulo: Editora da UNESP; Luanda: Editora Chá de Caxinde, 2006.
  • SECCO, C. L. T. R. Resenha crítica para a orelha do livro: PEPETELA. A gloriosa família. 1. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.
  • SECCO, C. L. T. R. (Coord. e Org.). Antologia do mar na poesia africana do século XX: Moçambique, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe (v. III). 1. ed. Rio de Janeiro: Coordenação dos Cursos de Pós-Graduação em Letras Vernáculas – Faculdade de Letras, UFRJ, 1999.
  • SECCO, C. L. T. R. (Org.). LEMOS, Virgílio. Eroticus moçambicanus: 1. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.
  • SECCO, C. L. T. R. (Coord. e Org.). Antologia do mar na poesia africana do Século XX: Cabo Verde (v. II). 1. ed. Rio de Janeiro: Coordenação dos Cursos de Pós-Graduação em Letras Vernáculas – Faculdade de Letras da UFRJ, 1997.
  • SECCO, C. L. T. R. (Coord. e Org.). Antologia do mar na poesia africana do século XX: Angola (v. I). 1. ed. Rio de Janeiro: Setor de Publicações da Faculdade de Letras da UFRJ, 1996; Luanda: Kilombelombe, 2000 (edição revista e ampliada).
  • SECCO, C. L. T. R. Além da idade da razão: longevidade e saber na ficção brasileira. 1. ed. Rio de Janeiro: Graphia, 1994.
  • SECCO, C. L. T. R. Morte e prazer em João do Rio (texto integral). 1. ed. Rio de Janeiro: Editora Francisco Alves, 1978. 

JOSÉ DOS REMÉDIOS

JOSÉ DOS REMÉDIOS nasceu em 1o de agosto de 1987, no Chamanculo, Maputo, Moçambique. É professor, jornalista, apresentador de TV e editor da “Livaningo Cartão D’Arte”. Tem publicado artigos de âmbito literário nos jornais e revistas de especialidade. Foi colaborador de programas radiofônicos com rubricas literárias na Cidade FM e na HFM. É licenciado em Literatura Moçambicana pela UEM (Universidade Eduardo Mondlane -Maputo, Moçambique). Foi um dos colaboradores no processo editorial da versão comemorativa dos 50 anos do livro Nós matamos o Cão-Tinhoso, de Luís Bernardo Honwana. Foi roteirista, técnico de som e fotógrafo do documentário MAPUTO A DOROPA.

Atualmente apresenta o programa “Artes e Letras” da emissora STV, de Moçambique: stv.sapo.mz

 

ARTIGOS SOBRE LIVROS DA KAPULANA

Lica Sebastião: a musa que não se cala?. In: O país – Moçambique. Quarta, 06 janeiro 2016.

“Outras Coisas”: o vitimário das personagens. In: O país – Moçambique.  Quarta, 01 junho 2016 18:45.

“O percurso da liberdade em Lucílio Manjate”

 

 

TERESA MANJATE

TERESA MANJATE, moçambicana, é Doutora em Literatura Oral e Tradicional Africana pela Universidade Nova de Lisboa, Portugal. É investigadora do Centro de Estudos Africanos e Professora Auxiliar na Faculdade de Letras e Ciências Sociais da Universidade Eduardo Mondlane, em Moçambique.

OBRAS / ARTIGOS DA KAPULANA

Os desafios dos EUs em Lica Sebastião”. In: de terra, vento e fogo, de Lica Sebastião, 2015.

Prefácio. In: de terra, vento e fogo, de Lica Sebastião, 2015.

LUCIA WEG FERNANDEZ

LUCIA W. FERNANDEZ é formada em Psicologia com especialização em Neurobiologia. É brasileira, vive em Minneapolis, Minesota. Atualmente, faz mestrado em Counseling and Psychological Services na St. Mary’s University of Minnesota, câmpus de Minneapolis. Redige artigos científicos e dedica-se a fazer versões em inglês de textos brasileiros.

OBRAS / ARTIGOS DA KAPULANA

Versão em Inglês de Titus e as Galinhas, de Aurélio de Macedo, 2015.

Versão em Inglês de Clarinha e Berenice e o dicionário do inesperado, de Carolina Mondin, 2015.

RITA CHAVES

RITA CHAVES é professora de Literaturas Africanas de Língua Portuguesa, no Depto. de Letras Clássicas e Vernáculas da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, da USP (FFLCH-USP). É também pesquisadora do CELP (Centro de Estudos das Literaturas e Culturas de Língua Portuguesa), também na FFLCH-USP.

Possui Graduação (1978) e Mestrado (1984) em Letras, pela Universidade Federal Fluminense (1984) e Doutorado em Letras (Letras Clássicas) pela Universidade de São Paulo (1993), com dois estágios de Pós-doutorado na Universidade Eduardo Mondlane, de Moçambique.

Tem experiência na área de Letras, com ênfase em literaturas africanas, principalmente nos seguintes temas: Literatura Angolana, Literatura Moçambicana e Literatura e Antropologia.

PUBLICAÇÕES DA KAPULANA

 ALGUNS DOS LIVROS QUE ESCREVEU OU ORGANIZOU:

  • Diálogos com Ruy Duarte de Carvalho. 1. ed. Lisboa: Buala, 2019. v. 01. 205p. (Org. com M. LANCA, A. B. OLIVEIRA e M. R. SANCHES.
  • Nação e narrativa pós-colonial I. 1. ed. Lisboa: Colibri, 2012. v. 1. 445p. (Org. com A. M. LEITE e L. APA)
  • Contos africanos de língua portuguesa. São Paulo: Ática, 2009. v. 1. 145p. (Org. com Luandino Vieira e Mia Couto)
  • Marcas da diferença. São Paulo: Alameda Casa Editorial, 2006.
  • Angola e Moçambique – experiência colonial e territórios literários. Cotia: Ateliê, 2005.
  • Portanto. Pepetela. 1. ed. Luanda: Editorial Chá de Caxinde, 2002. v. 1 (Org. com Tania Macêdo)
  • Angola e Moçambique : o lugar das diferenças nas identidades em processo. Rio de Janeiro: EDUCAM, 2001.
  • A formação do romance angolano. São Paulo: Via Atlântica / Fundo Bibliográfico de Língua Portuguesa, 1999.

NAZIR A. CAN

NAZIR A. CAN é professor de Literaturas Africanas na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Possui graduação em Letras pela Universidade do Porto, graduação em Humanidades pela Universitat Pompeu Fabra de Barcelona, Mestrado e Doutorado em Teoria da Literatura e Literatura Comparada pela Universitat Autónoma de Barcelona. De 2012 a 2015 desenvolveu, na USP – Universidade de São Paulo, o projeto de pós-doutorado “Imediações, mediações, consagrações: o campo literário moçambicano (1975-2010)”, pesquisa financiada pela FAPESP e supervisionada pela Profa. Dra. Rita Chaves.

Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Teoria Literária, Literatura Comparada e Literaturas Africanas (de língua portuguesa e francesa). É autor do livro Discurso e poder nos romances de João Paulo Borges Coelho (Alcance Editores, 2015) e coorganizador do volume coletivo ‘Indicities/Índices/Indícios. Hybridations problématiques dans les littératures de l’Océan Indien” (Éditions K’A, 2010).

OBRAS / ARTIGOS DA KAPULANA

Aldino Muianga, entre nós e com as gentes”. Prefácio. In: O domador de burros e outros contos, de Aldino Muianga, 2015.

A noiva de Kebera e outros nkaringanas de segredos“. Prefácio. In: A noiva de Kebera, contos, de Aldino Muianga, 2016.

OUTRAS PUBLICAÇÕES

  • Indicities/Índices/Indícios. Hybridations problématiques dans les littératures de l’océan Indien, Éditions K’A, 2010.
  • Discurso e poder nos romances de João Paulo Borges Coelho, Alcance Editores, 2015.

FLÁVIA CORRADIN

FLÁVIA CORRADIN é Professora Livre Docente de Literatura Portuguesa na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, onde obteve os títulos de Mestre, Doutora e Livre Docente com os trabalhos Antônio José da Silva, o Judeu: textos versus (con)textos, Camilo Castelo Branco: dramaturgia e romantismo e O teatro da história em Jaime Gralheiro: Futuro de que passado?, respectivamente. Vem participando, a convite, de Congressos e Simpósios no Brasil e no Exterior. Crítica literária, tem publicado ensaios e resenhas críticas em periódicos do Brasil e do Exterior.

OBRAS / ARTIGOS DA KAPULANA

O cordel a perpetuar o amor de Pedro e Inês“. Apresentação. In: SILVEIRA, Francisco Maciel. O caso de Pedro e Inês – Inês(quecível) até o fim do mundo. São Paulo: Kapulana, 2015.

OUTRAS PUBLICAÇÕES

  • Aprenda a escrever, Cultrix, 1985.
  • Antônio José da Silva, o Judeu: textos versus (con)textos, Íbis, 1998.
  • Camilo Castelo Branco: uma dramaturgia entre a lágrima e o riso, Universidade de Aveiro, 2008.
  • Literatura Portuguesa: ontem, hoje, Paulistana, 2008.
  • Vista d’olhos em textos dramáticos e ficcionais da literatura Portuguesa, Todas as Musas, 2011. 

AURÉLIO CUNA

AURÉLIO CUNA nasceu em 1964, é casado e residente em Maputo, Moçambique.

É graduado em Linguística e pós-graduado em Desenvolvimento Rural.

É docente de Língua Portuguesa desde 1988. É investigador e docente de Literatura Moçambicana e docente de Retórica e Poética. É Chefe da Secção de Literatura e Cultura, da Faculdade de Letras e Ciências Sociais, da Universidade Eduardo Mondlane, em Maputo, Moçambique.

É também revisor e editor de textos e consultor na área de Comunicação em LÍngua Portuguesa. Participa como membro de comissões julgadoras de concursos literários.

OBRAS / ARTIGOS DA KAPULANA

“Os retratos sociais e a alegoria dos nomes em Outras coisas, de Clemente Bata”. Prefácio. In: BATA, Clemente. Outras coisas, contos. São Paulo: Kapulana, 2016. [Vozes da África]

BEATRIZ FERRARESSO

BEATRIZ FERRARESSO é universitária em curso de graduação de Pedagogia. Tem experiência como orientadora de crianças em instituições escolares. Em 2015 dedicou-se também à atividade de contação de histórias em eventos da Editora Kapulana.

PARTICIPAÇÕES EM EVENTOS DA KAPULANA

Participou como contadora de histórias nos eventos de divulgação dos seguintes livros:

Kalimba, de Maria Celestina Fernandes

Titus e as galinhas, de Aurélio de Macedo

Sonho da lua, de Sílvia Bragança

Viagem pelo mundo num grão de pólen e outros poemas, de Pedro Pereira Lopes

MARIANA RHORMENS

MARIANA RHORMENS é atriz graduada em Artes Cênicas pela Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, doutoranda e mestra no Programa de Pós-Graduação em Artes da Cena na UNICAMP com o projeto intitulado “Um olhar sobre as máscaras de Mapiko: apropriação técnica, simbólica e criativa da máscara”, com orientação de Matteo Bonfitto Júnior. Durante tal pesquisa, realizou trabalho intensivo em Moçambique onde aprofundou estudos sobre máscaras de Mapiko. Foi integrante da companhia Pic & Nic com as peças ‘Panos e Lendas’ e ‘Avoar’; e da Cia. Av. 2 com a peça ‘Uma Sociedade’. Atualmente participa da Cia Buzum! e do Grupo Desembargadores do Furgão, que desenvolve pesquisa com máscaras balinesas e moçambicanas. É integrante do grupo musical Samba de Dandara que explora sambas, afoxés, a musicalidade afro-brasileira e o papel da mulher dentro desse universo.

PARTICIPAÇÕES EM EVENTOS DA KAPULANA

05/03/2016: Livraria Cultura – Conjunto Nacional – São Paulo – SP
Livro: O rei mocho, de Ungulani Ba Ka Khosa. Lançamento com contação da história em forma de espetáculo teatral musical com uso de máscaras e instrumentos musicais africanos. Com Ana Pessoa.

13/08/2016: Centro de Tradições Nordestinas – São Paulo – SP
Livro: O caso de Pedro e Inês: Inês(quecível) até o fim do mundo, de Francisco Maciel Silveira. Contação da história em forma de espetáculo teatral musical com uso de bonecos e instrumentos musicais. Com acompanhamento de Marcelo Moraes. Em comemoração ao mês do cordel.

ANA PESSOA

ANA PESSOA é atriz formada pelo curso de bacharelado em Artes Cênicas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), em dezembro de 2011. Complementou sua formação estudando Kathakali na Índia durante três meses com o mestre Kalamadalam Gopalakrishna, em 2012. E Topeng, em Bali, durante 30 dias com o mestre I Made Djimat. Atualmente foca seu trabalho na pesquisa de teatro de máscara, integrando como atriz fundadora o “Grupo Desembargadores do Furgão” com o qual pesquisa máscaras balinesas (bondrês – palhaços) e moçambicanas (Mapiko). Além disso, desenvolve sua pesquisa pessoal como palhaça na rua, trabalha com intervenções e números tanto solos quanto em duplas.

 

PARTICIPAÇÕES EM EVENTOS DA KAPULANA

05/03/2016: Livraria Cultura – Conjunto Nacional – São Paulo – SP
Livro: O rei mocho, de Ungulani Ba Ka Khosa. Lançamento com contação da história em forma de espetáculo teatral musical com uso de máscaras e instrumentos musicais africanos. Com Mariana Rhormens.